terça-feira, 31 de julho de 2012


                                                      FERIDAS DA ALMA

                           As feridas d'alma reabrem por instantes.

 
                           O inconsciente impulsivo me faz pequeno
                           ponto de universo perdido.

 
                           Travessia oculta que marca o escuro cume
                           do pico além-mar.

 
                           Fuga viajante obscura das indefinições, que busca
                           passagem pedinte de novas emoções.

 
                           Do alto a águia acompanha o rastejar da víbora.

 
                           O esmaecer das cores no anoitecer empalidece o céu.

 
                           Ao léu meu pensamento, ora voa com a águia,
                           ora rasteja com a víbora.

 
                           Penso que o pouco que me davas,
                           era tudo o que eu queria.

 
                           Caminho com a  multidão... Para mim rua vazia.

 
                           Atordoado volto todos os dias ao nosso desencontro.

 
                           Sou dono desta alma ferida que não cicatriza.

 
                           Descontentamentos d'alma são incuráveis,
                           e os gritos de dor são silenciosos
.



domingo, 29 de julho de 2012


                                           TÃO PERTO... TÃO LONGE

                               Estás tão longe e te sinto bem pertinho,
                          estacionado em mim.
                          A distância entre nós me parece sequer 
                          ser maior que um grão de areia.
                          Creia, de ti me alimento e assim sobreviverás 
                          até meu último pulsar.
                          O espaço físico que nos separa, não distanciará
                          meu coração da tua alma a cintilar no horizonte.
                          Recordo dos teus olhos em nossos momentos e 
                          continuo a perseguir sua alma em busca  dos 
                          meus  desejos incontidos imortalizar.
                          Alva alma em eterno descanso, alma que nunca 
                          mais me deixará em sossego, te vejo em meus 
                          sonhos e te materializo em ilusões.
                          Estou em constante letargia por saber que de
                          nada valem todas essas minhas infrutíferas lamúrias.
                          As dores amalgamadas na minha alma, não
                          condizem mais com o sorriso enfadonho.
                          Procuro encontrar na memória raros 
                          momentos esquecidos. 
                          Aquele pequeno instante do affair que
                          poderá me alentar.
                          Espio em demorados momentos a minha dor infalível
                          e beijo as lágrimas da saudade.
                          Entrando nas obscuras profundezas do meu âmago
                                  sigo respirando o intocável querer, o invisível possível 
                           e a tristeza real.


sábado, 28 de julho de 2012


                                         SOMENTE CONSTATAÇÃO
              Não recordo exatamente o momento em que constatei: que em determindado ano a minha idade era igual aos dois dígitos finais do ano de nascimento  de algumas pessoas e que a idade delas eram iguais aos dois dígitos finas da minha data de nascimento. Denominei esta constatação como: o ano de cruzamento das idades.

                                                     PEDRO e MARTHA 
Quando Pedro e Martha nasceram jamais imaginariam que seriam marido e esposa. Quando criança residiam em cidades distantes, mas o destino e os eventos encarregaram-se de aproximá-los. Pedro nasceu no ano de 1928 e Martha em 1934. O casamento deles realizou-se em 1962, quando Pedro estava com 34 anos e Martha com 28 anos de idade. Ficaram velhinhos juntos e faleceram nos anos 1990. Formaram um casal formidável e deixaram um legado de paz e harmonia aos sete filhos.

                                                      FERNANDO e LUÍS
Fernando e Luís são companheiros e estão vivendo juntos faz vinte e cinco anos. Formam um casal diferente para os moldes da sociedade atual e alimentam grande respeito e consideração um pelo outro. Quando se conheceram, notaram que havia grandes afinidades e definiram por compartilhar a vida juntos. Pelo que tudo indica ainda estarão harmoniosamente convivendo em 2022, quando Luís completará 60 anos e Fernando 62 anos de idade. Acreditam que daqui a uma década a parte preconceituosa da sociedade será mais tolerante e eles serão ainda mais realizados. Fernando nasceu em 1960 e Luís em 1962.

                                                       KEYKO e KAIORY
Keyko nascerá em 2037 e Kaiory em 2040. Irmãs japonesas, filhas de um casal que manterá os costumes dos ancestrais. Será uma época com a tecnologia em enorme aceleração. Os carros terão rodas opcionais e seguirão trajetos magnéticos, alcançarão a velocidade máxima de 780 Km/h. As pessoas irão se comunicar por sistema de projeção heliográfica de alta definição. Os veículos serão todos blindados e poucos transeuntes ficarão nas ruas, expostos aos saqueadores e assaltantes. Os cidadãos ficarão a maior parte do tempo em suas residências. Receberão mantimentos em entregas especiais compradas pelo Credit Card Worldwide Network. As School Network e University Network, serão universos de formação educacional em rede integrada mundialmente. Em 2077, Keyko completará 40 anos e Kaiory 37. Keyko compartilhará a vida com um terráqueo e Kaory manterá um amor platônico por um terraquiano, pertencente a uma nova raça que estará estabelecida nos postos avançados de observação em marte.


sexta-feira, 27 de julho de 2012

                                                
                                               ALMA DO ARTISTA

                              Asas livres para alçar voo na imaginação.
                              Levando altivo o traço a traço na lapidação.
                              Descobrindo o equilíbrio passo a passo.
                              Materializando os segredos sagrados da ispiração.    
                              Como anjo alado originado da alma, delineando
                              o valor da criação numa fusão espírito-emoção.

                                  Sem o artista o mundo seria compêndio das repetições. 
                                  Seriam vidas sem esquinas, seriam mares de monotonia. 
                                  O desperdiçar de maravilhosas imagens que chegam ao coração.
                                  O desprezar do prazer de amanhecer com novas atrações.

                                       A arte magia renova a ação proporcionando euforia.
                                       No minucioso entalhe do escultor...  
                                       No apurado traçado do estilista...
                                       A arte para ser verdadeira
                                       deve surgir da alma do artista.


                           

quarta-feira, 25 de julho de 2012

                                                           
                                         EU FIQUEI

                            Sinto saudade do aroma almiscarado do incenso após jantar,

                            esfumaçando prenúncio de noite marcante.

                            O sabor do vinho tinto acompanhado de beijos suaves 

                            que deliciosamente evaporavam os preconceitos.

                             O mundo havia parado com nossa euforia, 

                             não existiam nem as noites, nem os dias,

                             manhãs ou tardes,

                             o que existia era pura magia, puro encanto.

                             A velha parede do velho apartamento, do velho prédio,
 
                             transformado do concreto em metal.

                             Meu retrato, moeda grega italianificada, gravada em grafite.

                             Mensagens eternizadas em cavernas noturnas 

                             com suas passagens secretas.

                             Viagens alucinantes, sem estação, sequer pista de pouso.

                             Fiquei eu, um pouco lá, cravado, fixado pelo desvario.

                             Juntos nós, ficamos nas tardes, nas noites e nos acordar.

                             Ainda vejo o teu olhar de ternura, atrevido me convidando 

                             nas despedidas para mais um pouco ficar, e eu fiquei.

                             Fiquei um pouco mais, 

                             mais uma noite inteira.

                             Mais um amor inteiro.

                             Mais uma vida inteira,

                             Indelével.

domingo, 22 de julho de 2012

******************************************************************
PREFERÍVEL SER UMA FLOR CONVIVENDO COM A NATUREZA EM PLENA LIBERDADE, AO SER UMA SUPOSTA RELÍQUIA GUARDADA NUM COFRE ESCURO.
******************************************************************
                                                 
                                                    O SIMPLES SER ERRANTE

                                     O vagamundo em devaneios sente-se o dono do mundo.


                                     A chuva fina cai devagar, leve, suave, dançando ao luar.


                               O vagamundo desconhece crises e jamais vivenciou desamores, 


                                  para ele o que acontece no mundo são apenas alguns rumores.

                               Mantém um antigo romance platônico com a beleza da natureza.


                                  Em toques sutis, acaricia delicadamente as flores silvestres,


                              tem grande admiração pelas cores das flores dos maracujazeiros.


                                  Para o vagamundo as pedras são preciosas na sua origem.


                             Os pássaros são apreciados nas florestas de galhos entrelaçados.


                           O andarilho deixa sempre marcas do ser sociável em seu caminho.


                           Mesmo quando importunado, cabisbaixo, permanece feliz e calado.


                              Durante as chuvas aquece sua alma no reflexo das poças d'água.


                                  São seus esplêndidos espelhos espalhados pelo caminho.


                            Afável, troca carinho com mundo natural por sua abstração inata,


                         segue seu caminho com orgulho, vivendo harmoniosamente simples.


                      Daqui a pouco quando te deparar com um sujeito desconhecido... diferente.


                                      Pode ser ele... este ser errante.


terça-feira, 17 de julho de 2012

                                
                                  FRAGMENTOS DE SAUDADE
 
                    Lembranças me vem com muita saudade,
                    de um tempo de impossível regresso
                    ao lindo vale do meu bairro Progresso.
                    De tanta calmaria nos dias felizes dantes.
                    Do mercadinho dos sortidos na esquina.
                    Do jogo de bola em gramados molhados.
                    Da família reunida em almoços e jantares.
                    Dos colegas de infância na Escola da Penha.
                    Dos melhores amigos da mágica rua em curva.
                    Dos banhos divertidos no açude do Miron.
                    Da liberdade de vida no Distrito de Chorão.
                    Da hora da divisão dos araticuns colhidos.
                    Do sabor peculiar das pitangas nativas.

                    Quanta ocasião, quanto bate-papo...
                    Quanta gente boa, quanta emoção...
                    Saudade imensa dos bons amigos...
                    Amigos que perambulam nas ruas do coração.
                    Amigos que mato a saudade na imaginação.
                    Queridos rostos sorrindo na memória,
                     pessoas inesquecíveis na minha história.
                     E o adeus eterno que irrompe n'alma,
                     materializa-se em lágrimas de saudade.
                     Na esperança de manter vivas essas lembranças,
                     continuarei a ser criança na eternidade.



segunda-feira, 16 de julho de 2012

                                                                                                                                                                                          EU TE AMO INTENSAMENTE EM DEZEMBRO
 
                                   Você consegue aguçar todos os meus sentidos.


                                   Desnudo-me dos meus segredos ao te querer.


                                   Meus delírios projetam loucuras ao te ver.


                                   Em músicas suaves orquestradas pelos anjos, 


                                   te conclamo e recito o mito de musa maior amado.


                                   Estando ao seu lado sinto teu coração acelerado,


                                   num ritmo único juntando-se ao meu.


                                   Na imagem do teu rosto risonho ao luar,


                                   o desejo embarga minha fala na expressão de amar.


                                   Clamo ao imaginário cúpido para eu contigo ficar,


                                   se ele flechar teu coração eternamente irei te amar.


                                   A minha vida é te querer, o certo é ficar com você.


                                   Eu te amo intensamente em dezembro.


                                   O que será da minha vida se algum dia te perder?


                                   Os dezembros serão para sempre desertos sombrios.



sábado, 14 de julho de 2012


                                            CONVERSA SONHADA

                             Conversando com o transeunte triste e ancião,
                          em pequenas frases pausadas me falou de forma
                          descomplicada, que do sentimento mais puro e
                          simples é que surge a complexidade. Disse-me que
                          neste mesmo lugar, no passado, as veredas eram
                          empoeiradas no puro chão. As matas verdejantes
                          eram abundantes, de fauna que era exuberante e
                          hoje está em extinção. Pequenas lavouras eram ricas
                          por simplesmente servirem de alimento para toda a
                          população. As notícias chegavam tardiamente, mas
                          não havia nenhum problema, era um povo de consolação.
                          As noites eram mais longas, não existia entretenimento
                          televisivo num mundo de imaginação. Os moradores daqui
                          eram singelos, de tanto simples eram belos, de pura alma e
                          valor. Os rios com suas águas cristalinas formavam maravilhosas
                          piscinas com a semelhança dos prismas multicor. Em período
                          qualquer, aqui chegaram exploradores, vindos de uma terra
                          distante e transformaram em inoperante o que era simplicidade
                          e amor. Grandes derrotas sofreram as árvores esplendorosas,
                          uma a uma deitadas , deixaram clareiras de dor. A cidade
                          desenvolvida que se vê, não é mais como o vilarejo, hoje  em
                          muralhas se faz, protegendo-nos do nosso ser semelhante. O
                          homem antigo buscava abrigo daquilo que lhe era selvagem,
                          jamais imaginaria que algum dia o ser semelhante é que seria
                          a selvageria. O ancião falou além disso muito mais, não recordo
                          exatamente de tudo, lembro-me que o escutei atento, estarrecido
                          e mudo. No final, vendo-me desconsolado, sentou-se ao meu lado
                          e afetuoso me abraçou. E a dor espremida em meu peito sumiu.
                          Exato momento em que me vejo acordado, estupefato, lembrando
                          do que eu havia sonhado. O sábio ancião nativo continua aqui ao meu
                          lado, materializado por conta da imaginação. E desta conversa
                          sonhada, carregarei o ensinamento de que o homem não é nada ao
                          renunciar a manutenção da natureza equilibrada.



sexta-feira, 13 de julho de 2012

                                                           Pessoas
                              Cada pessoa é um ser único, com suas peculiaridades.
                             Com suas ansiedades e necessidades, os humanos andam por aí,
                             algumas pessoas tem caráter, outras nem tanto, mas igual são pessoas.
                            A definição do caráter do ser humano está em suas atitudes,
                             independentemente de sua formação familiar,
  ou de sua profissão.
                            As  pessoas  são  do  jeito  que são?   Ou  será  que  as  pessoas 
                             transformam-se no que são? Se tornam desse ou daquele jeito.

                                                                   ****************
                          O solitário sentou-se no banco da praça e reverenciou o minuto,
                          instante em que o pintor azulou o amarelo com o velho pincel.
                          Momento em que o leiloeiro recebeu o lance final.
                          Ocasião em que a morte alcançou o cidadão idoso.
                          Oportunidade em que o mercador se fez ardiloso.

                          O solitário sentou-se no meio-fio e reverenciou o segundo,
                          instante em que o pintor pincelou a parede.
                          Momento em que o leiloeiro bateu o martelo.
                          Ocasião em que o ancião ultimou o suspiro.
                          Oportunidade em que o mercador enganou o freguês.

                          O solitário levantou-se, olhou para o céu e reverenciou a vida,
                          instante em que o pintor contemplou a linda parede azul.
                          Momento em que o comprador arrematou a obra de arte.
                          Ocasião em que em serenidade o velho aconchegou-se aos anjos.
                          Oportunidade em que o vendedor corroeu-se em  remorso.

                          O cidadão retornou feliz para o lar.
                          O pintor cumpriu alegre sua função.
                          O leiloeiro concluiu contente o seu dia.
                          O ancião encontrou a paz em sua alma.
                          O comerciante miserável fechou a sua loja.


quinta-feira, 12 de julho de 2012


***********************************************************************************************************************
***********************************************************************************************************************
(em dado instante) O ser livre manifesta-se e o resultado é de total satisfação. (o momento passa) ...e surge nova espera...
***********************************************************************************************************************
***********************************************************************************************************************

segunda-feira, 9 de julho de 2012



                                                       A BELA FLOR

      A bela flor que admiras suspensa por fino caule é como alma divina no corpo do ser mortal.

      Dizes que sou teu, então faça algo para me amar, não me deixe nesta dúvida asfixiante que me fere e me ausenta, levando-me para lugares ermos aonde nunca, jamais vou te achar. Esta ausência audaz de infrutíferas incertezas não tirará a beleza da minha forma de amar. Costure teus sentimentos aos meus, por certo quererei ficar por perto e fazei do teu peito meu aconchego, unindo-me a ti num só coser.

     Sempre viajarei na tua alma, vou incrustar-me na tua mente, para tentar a plenitude deste tudo que sempre sublimei. Não me deixeis cair em desencanto. Na tua calma a minha  alma descompassa em incertezas. Imploro faz-se de alento para me salvar do tormento de vida sem razão. E em comoção me devolvo a ti sem resquícios das perdas. Para o sempre serei fino caule e te manterei bela flor.

domingo, 8 de julho de 2012


                                         RETRATO PENSADO

                             Busco te esquecer. Esquecer-te não consigo.

                             Tentei um ardiloso assassínio,

                             Impossível exterminar alguém tão presente, tão vivo.

                             Luto inutilmente para obtenção do meu próprio luto.

                             Lembro esquecer minhas  presentes lembranças,

                            Mas não consigo olvidar momentos cravados na alma.

                            Aquele jeito meigo que a mim projetavas me acompanha.

                            Aqueles olhares de incontáveis indecisões continuam comigo.

                            Aquele perfume suave que inflamava minha loucura, ainda está no ar.

                            Minha imensa tristeza se faz, quando penso que em nosso jardim,

                            Onde contemplávamos as flores, elas jamais serão as mesmas.

                            Nós jamais seremos os mesmos.

                            Tenho somente uma certeza, não aprenderei a te esquecer.

                            Não conseguirei ludibriar o meu sentimento.

                            És espelho dos meus atos. (para não deixar-me esquecer)

                            És o meu retrato de vida. (para continuar a te querer)


                                    *******************************************************