terça-feira, 21 de agosto de 2012


                                                NOITES TRISTES

                                  As noites não conseguem dormir.

                                  Quão confusa a solidão!

                                  Nuvens escuras ofuscam o seu brilho.

                                 Relâmpagos são instantes que as trocam pelo dia.

                                 Estrelas belas encobertas, sumidas.

                                 Lua cheia a derramar seu pranto.

                                As noites estão tristes pela saudade,

                                elas não conseguem mais dormir.

                               As noites gritam em desespero  até ao amanhecer,

                               perderam os românticos das praças.

                               Não escutam mais as belas serenatas.

                              Esperam o retorno dos poetas embevecidos

                              por sua grandiosa beleza.

                              As noites, mesmo em sua profunda tristeza

                              aclamam mais um radiante amanhecer.

                              Estão esperançosas pelo retorno do romantismo.

                              As noites estão inquietas.

                              As noites precisam dormir.

                                   MORIBUNDO - alucinações prévias  
   
                                     I

Em manhã insólita de outono qualquer me encontro em prantos tantos. Véus negros e mantos  serpenteiam canto a canto lúgubres. Vejo vultos por todos os lados com seus rostos desfigurados. A chama da vela dançante me traz alento. Sobrepujando o medo em grito agitado pergunto: “Quem são essas pessoas?” Trôpego, fico calado, num arrepiar friorento,  inerte, paralisado. Vozes em súplicas sussurram meu nome. Aos poucos exaurido me deixo abater escutando ao longe as rezas e as lamúrias.

                                Ii

   Num meio-dia, num outono em lugar qualquer de prantos tantos. Rostos tristes desfigurados e tristeza maior marcada no olhar lívido e sereno de um velho gordo de rosto acanhado. De uma janela com vidraça suja a luz do sol espia timidamente abraçando a pequena cruz acobreada na parede. E por um momento surge um alento (na alma), que perdura pouco tempo ao surgir de névoa negra em corpo que desfalece. Tombando em meio das súplicas, das orações e dos sussurros.


                               III

Em tarde de outono gélido de tantos prantos, estou com o rosto enterrado nas mãos evitando ver os rostos desfigurados de estranhos que me cercam e ficam ao meu lado com olhares chumbados atemorizantes. Quero sair e não consigo, estou paralisado. Procuro avistar o velho gordo de rosto transtornado. Súbito, ele está ao meu lado com o rosto feito de cera e quem eu vejo me emudece. Meu avô morto quarenta anos atrás. Meu pensamento escurece. Atônito, cerro novamente meus olhos e começo a rezar, suplicando em sussurros.

                                
                               IV
Em entardecer de um outono qualquer com os olhos fechados, ouço apenas o tic-tac do relógio de parede da cozinha. Insisto em mantê-los fechados, não quero mais ver as pessoas com seus rostos desfigurados, sequer quero olhar para o lado, já estou alucinado. Estou com medo de ver meu avô a muito tempo sepultado. Nunca senti desconforto igual, quero acordar deste pesadelo. Noto que agora ao meu lado está uma menina sorridente, demais sorridente. Ironiza-me com seu olhar e o que lhe é peculiar, seu rosto parece de cera. Retornam as rezas, as súplicas e os sussurros. Em volta vultos em luzes de velas. Em sombrios murmúrios as preces brandas continuam.
             
                            V
Em angustiante noite de um outono qualquer, estou fraco e cansado, querendo fugir deste lugar onde ninguém comigo fala. Olham-me com pesar, com lamento. Exaurido ergo-me e grito fazendo do clamor um lamento. – “O que aqui está acontecendo? Não compreendo, pareço morrer congelado.” Instante em que na sala de escassa claridade as pessoas de rostos desfigurados devagar se afastam e aparece luz abundante clara, alva e cristalina. Mão estendida divina se faz em figura transcendente de anjo em plena serenidade. Em trocados passos transito, escutando encantadoras preces. Nos rostos lívidos, almas em paz em refeitas faces singelas de pessoas as quais amei durante minha vida inteira.


                              VI
Em tranquila e pacífica noite outonal encontro espíritos de luz, junto ao anjo que me conduz para a liberta plenitude espiritual. Livre, quero correr ao vento, soltar definitivamente a euforia contida, fazer a alma liberta voar em contentamento. Contemplar o firmamento em momento de divina sublimação. Em uma nova ação, num enfado despertar, surge na alma um pesar, ínfimas forças contraem os meus músculos, uma diminuta rebeldia se estabelece e o que vejo ao redor me deixa estarrecido, então como no corpo minha alma padece. Vultos, sombras e pessoas com rostos desfigurados ressurgem. O quarto aos poucos escurece. As velas dançam. Escuto ao longe meu nome em uníssono cantante de alento. Pessoas com rostos singelos aproximam-se, são anjos a me buscar em suplicas, preces e sussurros. Fecho os olhos e num sortilégio por eles me deixo levar.


                                                       ************


sábado, 18 de agosto de 2012


                                                E VEM E VAI

                                            Tudo sentia e nada sinto,

                                                   ou ainda sinto, sinto muito.

                                                     Fui inocente, ou ainda sou,

                                                             sinto sentir o simples ser.

                                                   Senti indiferenças,

                                               sentindo-me diferente,

                                         o irreal sempre sinto.

                                              Convivi a angústia,

                                                     com intimidade,

                                                          com todas as suas peculiaridades.

                                                    Perdi por vezes a estima,

                                             e a autoestima,

                                       sem estimativas de onde estava.

                                             Fiz-me triste,

                                                 tristonho aqui dantes,

                                                          tristezas presentes junto comigo.

                                               Trisco n’alma percebi as ilusões,

                                        centelha frenética de ardor.

                                  E de triste ao feliz é só um instante,

                                       se pensar no tamanho da vida.

                                             Uma virada, que se revira e volta.

                                                    Sem tormento em qualquer momento

                                              o retorno da busca das reais ações.

                                     Estusiamo aparece no sepulcro do desamor,

                              e do gélido de outrora aparece o calor.

                                   Dissabores vorazes em agourentos temores,

                                         pesadelos que vão me abandonando.

                                               Do sol faz-se o dia, na alma a alegria.

                                         E os antigos amores retornam sem dores.

                                  A tormenta esvai,

                            vem um novo sopro,

                                 novo vento... Novo tempo.

                                        No vai e vem,

                                                 no vem e vai,

                                       agora vem mais do que vai...

                              E vem... muito bem-vindo.

                        E vai a dor sufocante da tristeza

                             e vem um sentimento de alegria,

                                  alegria daquelas com muito mais coragem.




quinta-feira, 16 de agosto de 2012


                    ABA DOS TRIGAIS
 Sumiram vaporizados os teus olhares, as tuas risadas.
Não mais gargalhas se é que te valhas.
Destino indolente, cadê tua criança.
Fez-se homem e já morreu,tão rápido morreu.
É espantosa esta vida escoada.
Triste amargo de boca aberta, esperando por aqueles que se jogam ao céu.
Inverno agosto do gosto do fel, desprazer incorpóreo de matiz malfeitor.
Do frio que ladra na aurora e trovoa  na erupção da angústia de outrora.
Que falar que nada, se nada de faceiro se refaz do breu.
Ciência oculta da vontade de deuses vencidos.
 Beijo no portal dos mercadores agressores nas ceifas dos homens trigais.
Facínora ave voando no mais alto patamar, de frente pro crime, de frente pro mar.
Solstício que chega na hora errada e nem se reconhece,
não tem como se ver, lacrou-se o visível no todo sombreado.
 Abutre teimoso com seu voo formoso do pouso implicante na cruz do jazigo. 
Cemitério das rosas amarelas com cheiro de mofo.
Não te atormente é apenas corpo que jaz no sepulcro da terra que um dia arou.
É uma alma que plana contigo no reflexo das densas nuvens, rumo ao infinito pra sossegar.
Formosas roseiras com cheiro de mofo, pétalas caídas entre o pé e o pó do chão.
Majestosos trigais da cor de ouro, lavouras prontas para a colheita. 
E se tritura o grão e do pó se faz o pão, semente que vai pra terra, corpo que vai pro chão.



                                                 
                                                  J O A N A    C I G A N A
                                      
                               Velha Joana cigana!
                                Rosto marcado de tristezas.
                                Face apinhada de rugas.
                                Astuta e cheia de graça.
                                Voz rouca e pausada.

                                    Velha Joana cigana!
                                    Caminhar lento e compassado.
                                    Vestido longo... Cabelo entrançado.
                                    Reluz  o enigma de sua magia.
                                    Simples simpatia com seu sorriso calado.

                                                Velha Joana cigana!
                                       Olhar triste da vida errante.
                                       Colar, brincos e lenço estampado.
                                       Saudade de alguém distante.

                                          Bela velha Joana cigana!
                                          Lê a vida nas mãos,
                                          Não se engana.
                                          Chora a saudade de quem ama.
                                                          

terça-feira, 14 de agosto de 2012

                            *********************************************
     POR DETRÁS DE CADA PRECONCEITO
 ESCONDE-SE UMA VÍTIMA DELE MESMO.
*********************************************

sábado, 11 de agosto de 2012

                                             VOCÊ É O MEU ELO PERDIDO

Num sentimento atroz minha alma de abandono é quem fala por nós.  
Sentimentos vagueando no tempo nas tristes lágrimas choradas na alma em lamento. Encontros casuais dos desejos lascivos em admiráveis pensamentos cativos que fizeram do teu o meu abrigo nos nossos dias sonhadores.
 Olhares perdidos na sedução e logo encontrados na profusão da ternura.
 Alegrias impossibilitadas de regresso e a recordação do teu ser amoroso, entremeadas em versos que surgem do coração.
 Sem alaridos em ecos perdidos ressurge o clamor pela retomada da aglutinação das nossas vidas.
 Brados ressoam nas minhas queixas pelo retorno do teu amor.
No sopé da mesma montanha onde começou nosso romance fico esperando,
triste e solitário desejando que um dia você retorne mostrando-me o contrário do dissabor.
Você é o meu elo perdido!
As parcas doses do veneno carência em que me envolves na ausência transformam-se em nebuloso elixir.

 Você continua sendo a composição assídua da minha razão de viver, até mesmo na angústia.
Você é o meu elo perdido!
Os velhos bons momentos incrementam o tormento da tua falta, do meu bem mais precioso que um dia partiu, causando mágoa profunda que nunca mais foi curada.

 E que jamais irá curar.
 Nesta ferida da permanente distância, você é o meu elo perdido!
Num sentimento sublime minha saudade no abandono é quem chora por nós. Volúpia de seres comuns no desejo de amar, que um dia foram alimentados por mútua constante admiração. Lindos momentos de rara preciosidade onde braços entrelaçados bradavam em emoção, loucura dos desejos proibidos manifestados em lábios calados gritando em introspecção.

 Deliciosos pecados por nós realizados em ternura absurda, alimentando dois seres nas viagens delirantes, esbaforidos no magnífico profano.
E a nostalgia insiste em ser duradoura companheira.

Que vida! Esta sina deste grande amor perdido danoso e destrutivo.
 Sendo assim, deixarei a memória apagar-se em alma inflamada de padecer.
Em prantos de tristeza infinita, entre as falas, dos ecos e dos gritos tentarei te esquecer.
E que este esquecimento me venha bem antes da morte para que eu consiga por sorte um pouco viver.
 Então, pacificarei minha saudade abandonando o abandono.
E tu serás o meu elo temporariamente esquecido para na eternidade nosso amor renascer. 

                                             TECENDO PALAVRAS NAS FOLHAS
                 Muitos meses, muitas folhas amarelas, 
                          talvez dois outonos.
                  Creio até serem brancas ou branco amarelas.
                            Será degradê em ferrugem?
                  Folha sobre folha... Folha após folha,

                            prontas para rasuras cingidas de paz.

                 Assunto qualquer em calmo pensar,
                           ondas escritas em verde, azul e lilás.
                  Entardecer ou aurora, acaso o ocaso veio
                            brincar com seus  brilhos plácidos.
                  Inspiração na linha em extensão ,
                            horizonte de deslizes das miúdas esferas .

                          Sobe e vai e desce e vem e na pauta palavras
                            fiando no som de milenares rocas.

                  E se tecem  as palavras e crescem os versos,
                            céu nublado derramando suavidade.

                  Gotas bordam nas folhas das árvores
                            quatro estações em pontos de luz.

                  Desenhos colossais flutuam na folha

                                    tecida pelo sentimento amor.

                  Caneta inerte em esperança silenciosa
                           no afã de mais e mais palavras tecer.

                  Velho bloco dos rascunhos com suas folhas,
                           agora crivadas de explendor.
                  Como folhas de plátanos em tapetes multicor 

                          no patchwork do outono, inverno, primavera e verão.

                  O escritor transcende as quatro estações
                          e no tecer das palavras homenageia os tecelões.


sábado, 4 de agosto de 2012



                                 Momento do amor

                                   Não conjugo o verbo amar no passado.

                                   O cilíndrico seixo das rosáceas cores

                                   Infiltra-se nas coxas robustas em compressão.

                                   Línguas de fogo, inflamadas em desejos,

                                   enroscam-se entorpecidas em regozijo.

                                  Cheiros acres adocicados de perfume ardor,

                                  neste confuso aroma suor... Profuso torpor.

                                  O amor pleno num instante se faz.

                                  No desfrute do momento colossal, ainda em

                                  posição fetal o último beijo regala

                                  o reconforto do amor.

                                  Ah! Esse fogoso gozo essencial!




                                               Eu te protegi onde pude


                          Eu te protegi onde pude. Até nos prantos d’alma.

                    O vento é quem carrega as nuvens,

                    e o céu é quem delas carece.

                    Desilusão não se tece, adentra e se estabelece.

                    Por um ínfimo desejo, sou eu alheio rumo ao porto.

                    No pulsar das veias a dor. No âmago mais dor.

                    Dor que se estabelece afoita.

                    E no insípido suspiro do desejo do querer,

                    somente despedida,sem nada, sem amor.

                    Vento veleja as ondas e a revolta do mar me conforta.